Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O espaço das pequenas coisas

O espaço das pequenas coisas

28
Abr21

Kit de Sobrevivência XXIX - Marcelo Rebelo de Sousa

KS XXIX Marcelo Rebelo de Sousa.png

No passado Domingo, 25 de Abril, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa surpreendeu os portugueses com um discurso de uma coragem notável, revisitando a história de Portugal, não deixando pedra sobre pedra, mas traçando pontes de reconciliação.

 

A partir da sua própria história de vida, Marcelo Rebelo de Sousa faz uma reflexão da História Portuguesa, desde as conturbadas lutas liberais (precedendo a libertação do Brasil do Império Colonial Português), até ao tempo da Ditadura, da qual o Pai de Marcelo Rebelo de Sousa fez parte como Governador de Moçambique e pela proximidade a Marcello Caetano (o nome do atual Presidente é uma homenagem ao então regente da ditadura).

 

No seu discurso, o antigo Professor universitário falou também do Período Colonial, com a sua complexidade e múltiplas contradições. A revolução do 25 de Abril, como lembra o atual Presidente, foi planeada e levada a cabo por militares das forças armadas que haviam estado na guerra do ultramar.

 

Talvez o aspeto mais comovente do discurso de Marcelo tenha sido a visão conciliadora da História, incluindo os que foram lutar, os que emigraram na esperança de uma vida mais justa, mas também dos que lutaram contra o Império Colonial Português, os que tendo vindo de Portugal se juntaram à resistência e dos que regressaram sem nada, os que ficaram em sociedades devastadas pelo colonialismo.

 

Ser Português é ser complexo, rico em História, em coragem para atravessar o desconhecido, mas também em crueldade da escravatura e do racismo. Segundo o atual Presidente devemos refletir sobre a História à luz dos valores atuais, sem condenações, mas retirando lições para não repetir os mesmos erros. Afinal, se o filho de um governante da Ditadura pode ser democraticamente eleito Presidente da República Portuguesa, podemos enquanto povo também evoluir. Refletir sobre como podemos lutar por Portugal mais justo, inclusivo e igualitário.

25
Abr21

25 de Abril sempre!

CC8DE92C-FE73-473D-AC77-CB9C6537923F.jpeg

Há 47 anos Amália estava nas aulas e ouviu alguém murmurar “houve Revolução! O regime vai cair!”. Era um alvoroço durante as aulas da manhã. Depois do toque para o almoço, Amália e os amigos correram para a rua, procurando ouvir na rádio o que tinha acontecido.


O Pai de Amália havia lutado pela Liberdade, co-organizando a campanha do General Humberto Delgado, firme na resistência à Ditadura. Muitos dos seus amigos estavam presos ou exilados. Tinha recebido várias ameaças, escapando apenas por um golpe de sorte.


Também Amália e os irmãos tinham resistido, à sua maneira, aos tentáculos da Ditadura, organizando encontros secretos para debater as suas ideias sobre como poderia ser a Democracia. Amália e os irmãos liam todos os livros secretos que o Pai conseguia comprar no “mercado negro” sobre marxismo, comunismo, socialismo, maoismo e tantos ismos. Distribuíam panfletos de manhã cedo na Escola e nunca falhavam os encontros.


Aos catorze anos, Amália foi chamada à PIDE. Tinha muito medo, será que a tinham apanhado? Pereceria na prisão como os amigos do Pai? Não! Seria corajosa e saberia defender-se. O Pai acompanhou-a e instruiu-a a não dizer nada. Até hoje, Amália pensa nesse dia, os PIDEs vermelhos e suados, sobre si a fazerem-lhe questões sobre os seus encontros, que amigos apareciam, sobre o que falavam.


Nesse 25 de Abril de 1974 não pensou mais no que tinha sido, permitiu-se sentir o que era: a Liberdade. Correu pelas ruas com os seus amigos, gritando “Viva a Liberdade!”, observando as centenas de pessoas que se reuniam na baixa. Sentia uma enorme esperança no futuro.


Amália fez parte de vários grupos depois da Revolução dos Cravos, lutou pela liberdade e igualdade, pelos direitos das mulheres e dos mais desfavorecidos.


Hoje Amália tem mais de 60 anos, mas transmitiu o seu espírito ativista à sua filha que aqui hoje conta a sua história.


A Democracia e a Liberdade não são garantidas, temos o dever cívico de lutar todos os dias pela igualdade de oportunidades e pela preservação do nosso planeta. Viva o 25 de Abril, viva a Liberdade!

21
Abr21

Kit de Sobrevivência XXVIII - George Bernard Shaw

KS XXVIII George Bernard Shaw.png

Nas últimas semanas muita informação tem circulado sobre as vacinas e o plano de vacinação. Como São Tomé eu preciso de “ver para crer” por isso mergulhei na evidência científica, enquanto aguardava os inúmeros pareceres da Agência Europeia do Medicamento (EMA), da Direção Geral da Saúde (DGS) e da Organização Mundial da Saúde (WHO).

 

Como vários cientistas explicam, é difícil eleger a melhor vacina contra a covid porque atuam de formas distintas, têm tempos de eficácia diferentes e os efeitos secundários também divergem, entre outros critérios. Além disso, as normas de aprovação da vacina variam consoante os países (na União Europeia depende da EMA, nos Estados Unidos é a Food and Drug Administration), os canais de distribuição dependem do tempo de armazenamento de cada vacina e depois existem os fatores políticos.

 

Como o leitor poderá saber, a COVAX foi uma iniciativa subscrita pelos países da ONU para que todos os países pudessem receber vacinas em tempo útil e de forma mais igualitária (doses suficientes para vacinar pelo menos 20% da população em todas as nações). O problema é que alguns países fizeram acordos bilaterais com a indústria farmacêutica, ignorando o preço pré-estabelecido, a COVAX, as guidelines da WHO e o senso comum de comunidade.

 

Assim, o plano de vacinação está sujeito a uma variedade de fatores que nada têm a ver com a ciência e a evidência científica. Seria, em teoria, responsabilidade da comunicação social divulgar os factos, mas desde que vivemos na Era Digital, do instantâneo, do chocante, os editores parecem ter perdido o apetite pelo conhecimento e limitar-se a dados, teorias da conspiração, informação contra o que o que a DGS prevê e os experts convidados afirmam. Cortam descarada e repetidamente a informação divulgada nos boletins diários, nas reuniões do Infarmed e nas comunicações da DGS para caber num segmento de 20 segundos o mais chocante possível.

 

Naturalmente, muitos de nós sentimo-nos confusos porque tudo parece um enorme erro de comunicação. Como os princípios jornalísticos foram abandonados pela janela, o que hoje é verdade, amanhã será mentira e em tanta discrepância começaremos a desconfiar de tudo e de todos num caos absoluto, levando a recusas de vacinas, desconfinamento caótico, reconfinamento, apatia.

 

A solução? Divulgação da informação baseada na ciência nos meios de comunicação, verificação dos factos ainda que atrase a divulgação de uma notícia e continuação de estudos científicos para melhor compreensão da doença e vacinas.

 

Como dizia um sábio brasileiro numa viagem que fiz à Turquia: “informação não é conhecimento”, mas essa história fica para outro dia.

18
Abr21

Bem-vinda Primavera!

AC81F982-28E2-4CF4-8DCB-8DE7CD95E385.jpeg

Esta semana, pela primeira vez neste ano e contra toda a situação atual senti esperança.


Bem sei que os Marqueses continuam a influenciar a Corte e a Pandemia assombra o nosso dia-a-dia, mas ao retomar os meus passeios no Parque senti o início de um novo ciclo.


Até aqui a Primavera parecia uma miragem, as flores ainda estavam escondidas, os passarinhos não chilreavam e o Sol escondia-se atrás das nuvens.


Mas esta semana foi como se o Universo conspirasse e a Primavera chegou. O Sol e o calor aqueceram a minha pele, os passarinhos vieram cantar todas as manhãs, as flores desabrocharam e até provei as primeiras framboesas do ano.


Somos uma espécie tão evoluída, com os nossos computadores e mercados financeiros e, no entanto, estamos sujeitos ao ciclo da vida como todos os seres da Natureza. Bem-vinda Primavera!

14
Abr21

Kit de Sobrevivência XXVII - Adam Grant

KS XXVII Adam Grant.png

Ultimamente tenho-me sentido exausta. Não sei se é o cansaço pandémico ou a constante preocupação transformada em listas, a verdade é que tenho dormido mal ou quase nada.

 

Depois de ouvir o podcast semanal da Deliciously Ella com Adam Grant “How to supercharge your brain” senti que tinha de recuperar o controlo da minha vida. Decidi experimentar a abordagem “científica” que Adam Grant propõe e analisei as áreas da minha vida: alimentação, sono e energia.

 

Como o leitor poderá saber, há quase um ano que mudei a minha alimentação e, apesar de inicialmente ter notado uma melhoria no meu bem-estar geral, a verdade é que o efeito se foi esbatendo. Podia olhar também para o meu padrão de sono, mas como a insónia é um “defeito” de família nem valia a pena uma análise crítica.

 

Percebi, então, que o meu corpo precisava de movimento. Retomei as minhas caminhadas, mas decidi elevar a dificuldade aumentando o meu objetivo de passos para 10 000 passos por dia. Além disso, retomei lentamente o yoga, só 10-15 minutos por dia, obviamente tendo em conta as limitações desde a cirurgia.

 

No entanto, o aspeto mais relevante desta mudança foi provavelmente retomar a meditação, especialmente o body scan. Esta técnica de meditação, que pratico através da app ao som da voz do monge budista Gelong Thubten, implica focar a atenção no corpo. Ao direcionar a atenção para as diferentes partes do corpo torna-se mais fácil deixar os pensamentos e preocupações, as listas intermináveis. Há muitos anos que faço meditação, mas este tipo de body scan é particularmente eficaz para pessoas que, como eu, passam demasiado tempo a pensar no passado e no futuro e esquecem-se que o presente é agora.

 

Esta pandemia, como já escrevi, fez-me repensar vários aspetos da minha vida. Talvez o mais relevante seja a maneira como invisto o meu tempo e disponibilidade, como cuido do meu corpo e como meço o sucesso.

11
Abr21

A vida a acontecer

69DAB776-94E7-46FD-ABC7-A1C61B7146EC.jpeg

Desde o início dos tempos, a Natureza é um ciclo quase perfeito, uma repetição contínua de padrões.


O Sol nasce e anuncia o dia, a Lua brinca às escondidas, trazendo consigo a noite. As abelhas e as flores trabalham em conjunto, numa sincronia perfeita que perpetua a vida.


Imaginemos agora, caro leitor, que este padrão é interrompido. As abelhas param de colher o pólen e, assim, termina a polinização. Durante um tempo, as flores murcham até que desaparecem da Terra. As abelhas, sem o seu alimento, deixam as colmeias e desaparecem do nosso planeta. Consequentemente outras espécies desaparecem também.


Mas a Natureza é justa e implacável, ainda que as flores e as abelhas desapareçam, a vida continua a acontecer porque no seu ciclo perfeito há sempre esperança de um novo dia.

07
Abr21

Kit de Sobrevivência XXVI - Fernando Pessoa

KS XXVI Fernando Pessoa.png

A quarentena, apesar de todas as coisas negativas que trouxe, também permitiu ter tempo para pensar, abrandar o ritmo, ganhar alguma perspectiva sobre vida, sobre o mundo, sobre as minhas escolhas, sobre as minhas palavras (literalmente).

 

Com alguma distância vi que os padrões que tinha para mim e para o mundo eram demasiado rigorosos e inatingíveis. Por exemplo, rapidamente examinava uma pessoa pelo que fazia, pelo seu estatuto profissional, pela sua perspetiva de carreira – a começar por mim. Muitos dos nossos preconceitos são adquiridos na primeira e segunda infância. Admito que, em parte, este preconceito provenha da exposição constante ao sucesso dos meus pais (mas os Pais não são tantas vezes os heróis?). Como disse, com a devida distância, percebo que foi um padrão interiorizado e reforçado pelas normas da sociedade, pelas minhas próprias experiências ao longo do tempo, com muitos agentes em diferentes contextos: académico, laboral, pessoal.

 

Com treino, meditação e introspecção, já consigo ser simultaneamente participante ativa de uma situação e observá-la com alguma distância, reflectir sobre o que está a acontecer enquanto acontece, observar as minhas reacções e parar, voltar atrás se for preciso e pedir desculpa sem cavar um poço de culpa mais fundo que a fossa das marianas. Também já sou capaz de estar sozinha, não sozinha, mas comigo mesma, sem medo das minhas falhas ou faltas. Hoje já não me importa tanto o que os outros possam pensar do meu estranho percurso de vida porque também já não julgo os outros pelo que fazem (ou pelo menos tento).

 

Quando era adolescente as minhas amigas diziam-me: “és tão empática” ou “és boa ouvinte” mas parecia-me absurdo porque só estava a ouvir. Anos mais tarde, quando conversava com uma amiga que estava com uma laringite, dei por mim a baixar também o meu tom de voz e, de repente, “fez-se luz”: percebi o que era empatia. Talvez a razão para não ter percebido até então tenha sido porque praticava-a pouco em mim mesma. Várias vezes fui muito crítica comigo mesma, disse coisas que nunca diria a uma amiga, mesmo em circunstâncias adversas.

 

E então, há um ano, veio a quarentena e tive de me confrontar comigo mesma. No processo percebi que os meus valores mudaram, as minhas relações mudaram, o que valorizo mudou. Hoje já não vivo inteiramente pelas normas da sociedade, mas também pelo que eu quero e sonho e penso muito bem antes de aceitar ou recusar alguma coisa.

 

Claro que os dias mudam e com eles há novos desafios, mas, no geral, diria que neste ano cresci muito. E gostava de dizer à minha adolescente que afinal vale a pena.

 

Nota: Este texto foi escrito seguindo as normas pré-acordo ortográfico.

04
Abr21

Domingo Pascal

domingo pascal.jpg

Esta semana ouvi uma entrevista de Sofia Coppola e Rashida Jones sobre como surgiu a ideia para o filme On the rocks. Ambas descendem de Pais famosos, mas não é essa a premissa do filme. O apelo, diziam a realizadora e atriz, é sentirmo-nos pequenas outra vez, sermos guiadas ao invés de guiar. Talvez por isso tenha gostado tanto do filme.

 

Lembro-me de ser pequena e o meu Pai adorar ducheses da nossa pastelaria local e, por isso, eu também comia, apesar de não gostar de chantili. Quando íamos no carro, ouvíamos sempre a TSF ou a Antena 1, algum programa de entrevistas ou os mesmos CDs: Tony Desare, Michael Bubblé, Campo Grande.

 

Acima de tudo, o que mais aprecio quando ando de carro com o meu Pai hoje em dia é espreitar no seu mundo, ouvir os seus receios por entre dentes, ouvir as suas “raivas” secretas, os seus arrependimentos infundados (na minha opinião), as suas quezílias interiores.

 

O meu Pai parece sempre saber para onde vai e o caminho para lá chegar. Conduz mais rápido que o Speedy Gonzalez mas sempre com segurança. O meu Pai é o clássico gentleman, mas sempre a favor do progresso e igualdade.

 

Sempre me apoiou em tudo o que decidi, sempre me motivou para além dos meus limites, tendo pouca tolerância para menos do que o seu padrão de qualidade. Tudo o que sempre quis, como qualquer filha, foi que o meu Pai se orgulhasse de mim.

 

Por isso, neste Domingo Pascal, penso que o meu Pai estaria orgulhoso de mim por ter a coragem de seguir o meu próprio caminho e escrever sobre as coisas que gostamos de fazer, a maneira como as nossas mentes circulam por vias semelhantes e também as nossas diferenças.

Sobre

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub