Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O espaço das pequenas coisas

O espaço das pequenas coisas

28
Nov21

Um psicoterapeuta (in)comum

um psicoterapeuta incomum.jpg

Há uns dias comecei a ver “The Shrink Next Door” (Apple+) e que delícia de dark humor. A série de 8 episódios e protagonizada por Will Ferrell e Paul Rudd (eleito o homem mais sexy do mundo pela revista People), acompanha a relação pouco ortodoxa de Marty (Ferrell) e Dr.Ike (Rudd). Uma relação que começa por ser de psicoterapeuta-paciente e que rapidamente evolui para uma relação de contornos pouco claros, com momentos vulneráveis, outros cómicos e outros pouco éticos.

 

Foi num desses momentos vulneráveis, que Marty vê-se confrontado por Dr.Ike com a sua própria mortalidade e com o seu papel patriarcal na família. Embora a observação seja evidente perante a morte de um Pai, não pude deixar de pensar os diferentes papéis que vamos ocupando na família.

 

Quando nascemos, entramos logo numa estrutura pré-estabelecida que estabelece um modelo sobre a forma como o mundo funciona. Depois os anos passam e vamos tendo as nossas próprias experiências, primeiro com a socialização de pares no jardim de infância, depois com a escolaridade, a adolescência e os desafios da individuação/separação dos pais e consequente criação de um paradigma do mundo único e individual. Mais tarde, se tivermos sorte, o nosso paradigma e transformado pelo amor e assim nasce um novo paradigma: um filho ou uma filha. Se tivermos sorte, muito mais tarde, a nossa visão do mundo é mais uma vez alterada quando morrem os nossos Pais e cabe-nos então ocupar o papel de matriarca ou patriarca.

 

Os espaços interessantes são entre etapas, quando estamos no processo de uma etapa para outra. Embora possa parecer-nos quase impossível essa transição, pela dor que inerentemente traz, a verdade é que já chegámos até aqui. E por isso continuamos a caminhar.

 

VER NO SOFÁ

Além da supracitada The Shrink Next Door (Apple +), uma das séries mais bonitas a que assisti há muitos anos chamada Babies (BBC), parece estar a ser “replicada” na nova série documental Babies (Netflix), permitindo observar o desenvolvimento de bebés de todo o mundo. Um mundo fascinante para quem é curioso sobre como funcionamos.

 

O cinema está ao rubro e eu mal posso esperar para ver o muitíssimo antecipado Mães Paralelas (Pedro Almodóvar) que conta a história de duas mais que dão à luz no mesmo dia e o que significa ser Mãe e os seus múltiplos papéis.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub