Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O espaço das pequenas coisas

O espaço das pequenas coisas

05
Set21

Guerra ao Terror

Há quase vinte anos, os Estados Unidos foram alvo de um ataque terrorista que ficou gravado na memória coletiva dos americanos e do mundo. O Presidente da altura, George W. Bush (Republicano) emitiu uma resposta clara: guerra ao terror. Podia ter declarado “guerra ao terrorismo”, mas o uso deste substantivo vago permitiu-lhe traçar o eixo do mal, onde reinava o “terror”: Coreia do Norte, Irão, Iraque e Afeganistão.

 

Sob o pretexto de encerrar os programas de “treino de terroristas”, bem como acabar com as “armas químicas, biológicas e nucleares”, os Estados Unidos invadiram o Iraque em 2002. Além disso, desde o 11 de Setembro de 2001 que os americanos procuravam Osama Bin Laden, o líder e fundador da Al-Qaeda, organização terrorista responsável pelos ataques às Torres Gémeas e ao Pentágono.

 

A 31 de Agosto de 2021, o Presidente dos Estados Unidos, agora Joe Biden (Democrata), ordena a retirada das tropas americanas do Afeganistão. Como sabemos, durante este processo existiram várias ameaças dos Talibãs que culminaram num ataque terrorista perto do aeroporto de Cabul, onde estavam a ser retirados dezenas de cidadãos americanos.

 

Assim, Biden vê-se num dilema: manter a sua promessa eleitoral (que vinha do seu tempo de Vice-Presidente de Obama) e retirar as tropas do Afeganistão ou responder ao ataque terrorista perpetuando o conflito americano-afegão? As palavras têm peso de ouro, porque embora aparentemente o discurso de Biden (ver vídeo) possa parecer semelhante no tom de vingança, a verdade é que não lança nenhuma ameaça concreta nem traça nenhum plano de ação.

 

Só podemos assumir que a guerra terminou, mas o conflito manter-se-á. E como os Talibãs assumiram o poder, a guerra dos vinte anos dará lugar a uma guerra civil.

 

 

 

VER NO SOFÁ

Nem só de mergulhos vivemos nestas semanas de descanso, também comemos bem e bebemos ainda melhor. Mas nas horas de calor (mais) intenso, a refrescante série The White Lotus (HBO) fez-nos boa companhia. É uma série estranha, excêntrica, exótica e cativante como a sua banda sonora, que acompanha a vida de hóspedes e staff num resort de luxo no Havai. A série vive da sobreposição de interesses contrastes sociais: luta de classes, desigualdade de género, idaísmo, racismo, tecnologia e Natureza, tudo regado com sexo, drogas e muitos Blue Hawaians.

 

OUVIR COM CALMA

Outra notícia sempre entusiasmante foi o lançamento do segundo álbum de Billie Eilish Happier than ever (Interscope). No seu álbum de estreia, sucesso comercial e na crítica, ouvíamos uma adolescente melancólica e naïf, profunda mas sem se levar demasiado a sério. Neste segundo álbum, ouvimos um coração partido e procura do seu caminho para se tornar adulta. Billie e Finneas continuam uma dupla imbatível, explorando vários géneros musicais, incluindo uma interpretação muito própria do género Bossa-Nova.

 

PASSEAR

Decorre em Lisboa e no Porto, a Feira do Livro. Tendo acabado Eliete (Tinta da China) de Dulce Maria Cardoso, O Jogador (Edições RTP) de Dostoiévski e estando nas últimas páginas de Jesus Cristo bebia cerveja (Companhia das Letras) de Afonso Cruz, ando a ansiar pelo novo livro deste autor, O vício dos livros (Companhia das Letras).

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub