Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O espaço das pequenas coisas

O espaço das pequenas coisas

21
Abr21

Kit de Sobrevivência XXVIII - George Bernard Shaw

KS XXVIII George Bernard Shaw.png

Nas últimas semanas muita informação tem circulado sobre as vacinas e o plano de vacinação. Como São Tomé eu preciso de “ver para crer” por isso mergulhei na evidência científica, enquanto aguardava os inúmeros pareceres da Agência Europeia do Medicamento (EMA), da Direção Geral da Saúde (DGS) e da Organização Mundial da Saúde (WHO).

 

Como vários cientistas explicam, é difícil eleger a melhor vacina contra a covid porque atuam de formas distintas, têm tempos de eficácia diferentes e os efeitos secundários também divergem, entre outros critérios. Além disso, as normas de aprovação da vacina variam consoante os países (na União Europeia depende da EMA, nos Estados Unidos é a Food and Drug Administration), os canais de distribuição dependem do tempo de armazenamento de cada vacina e depois existem os fatores políticos.

 

Como o leitor poderá saber, a COVAX foi uma iniciativa subscrita pelos países da ONU para que todos os países pudessem receber vacinas em tempo útil e de forma mais igualitária (doses suficientes para vacinar pelo menos 20% da população em todas as nações). O problema é que alguns países fizeram acordos bilaterais com a indústria farmacêutica, ignorando o preço pré-estabelecido, a COVAX, as guidelines da WHO e o senso comum de comunidade.

 

Assim, o plano de vacinação está sujeito a uma variedade de fatores que nada têm a ver com a ciência e a evidência científica. Seria, em teoria, responsabilidade da comunicação social divulgar os factos, mas desde que vivemos na Era Digital, do instantâneo, do chocante, os editores parecem ter perdido o apetite pelo conhecimento e limitar-se a dados, teorias da conspiração, informação contra o que o que a DGS prevê e os experts convidados afirmam. Cortam descarada e repetidamente a informação divulgada nos boletins diários, nas reuniões do Infarmed e nas comunicações da DGS para caber num segmento de 20 segundos o mais chocante possível.

 

Naturalmente, muitos de nós sentimo-nos confusos porque tudo parece um enorme erro de comunicação. Como os princípios jornalísticos foram abandonados pela janela, o que hoje é verdade, amanhã será mentira e em tanta discrepância começaremos a desconfiar de tudo e de todos num caos absoluto, levando a recusas de vacinas, desconfinamento caótico, reconfinamento, apatia.

 

A solução? Divulgação da informação baseada na ciência nos meios de comunicação, verificação dos factos ainda que atrase a divulgação de uma notícia e continuação de estudos científicos para melhor compreensão da doença e vacinas.

 

Como dizia um sábio brasileiro numa viagem que fiz à Turquia: “informação não é conhecimento”, mas essa história fica para outro dia.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub