Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O espaço das pequenas coisas

O espaço das pequenas coisas

12
Mai21

Kit de Sobrevivência XXXI - Gelong Thubten

KS XXXI Gelong Thubten.png

Se só pudesse escolher uma aprendizagem deste último ano é que a felicidade é, em certa medida, uma escolha.

Claro que existem eventos de vida absolutamente traumáticos e desesperantes, por isso vamos falar do dia-a-dia.

De manhã, abro as persianas e pode estar sol ou a chover, posso olhar para uma das janelas da minha casa que têm uma vista para um pequeno parque ou posso olhar por outra janela que tem prédios infindáveis. Posso focar-me nos passarinhos a cantar ou no barulho incessante dos carros na sua pressa matinal.

Uma das maiores mudanças que implementei neste ano foi tomar o pequeno-almoço com calma. Sem telefones, sem televisão, só eu e o meu príncipe, por vezes em silêncio, outras vezes a tagarelar sobre um assunto qualquer do dia. Aqueles quinze minutos fazem toda a diferença, porque no nosso amor encontro confiança e energia para o dia.  

Como Gelong Thubten, o monge budista, explica neste episódio do podcast que o leitor já conhecerá, o segredo da felicidade é a satisfação com o que temos. É aproveitar os momentos, ter compaixão, ser feliz com o que se tem. Às vezes a vida dá-nos umas voltas, mas, para mim, o segredo é encontrar as pequenas coisas que fazem o dia valer a pena.

 

No documentário "Democracia em vertigem", perguntam a Dilma Rouseff como aguentava a tortura a que foi sujeita durante dias. A sua resposta surpreendeu-me, Dilma disse “eu pensava: «é só mais um minuto, porque se você pensar mais não vai aguentar»”. Então, quando tenho os meus momentos difíceis faço duas coisas: 1) penso sempre “é só mais um minuto” e 2) foco-me nos meus momentos mais felizes. Às vezes está sol, outras vezes chove. Mas dentro de mim, há um Sol que brilha todos os dias. E o leitor, o que faz para se sentir feliz?

09
Mai21

Mudam-se os tempos, muda-se a Visão

9FA5E27E-E3E1-45D1-9BAE-95CB44DF8610.jpeg

Imagem: Marvel

 

Há algumas semanas vi a série “WandaVision” da Marvel. Não era particularmente fã do género “ficção cientifica” ou “banda desenhada” mas esta série não encaixa num género devido à sua escrita fenomenal e aos actores Elizabeth Olsen e Paul Bettany.


Ao longo da série, vemos Wanda (Olsen) e Vision (Bettany) como um típico casal que se mudou para os subúrbios. No entanto, toda a ação decorre como se estivessem numa sitcom americana, no qual cada episódio presta homenagem a uma década, desde 1950 de Dick Van Dyke até aos dias de hoje com “Modern Family”. Toda a roupa, luzes e formato mudam a cada episódio, bem como a performance dos atores que passa de um tom cómico teatral dos anos 1950 a uma performance mais “natural” dos tempos de hoje.


Desde que vi a série, comecei a pensar noutras séries que tinha visto durante a minha vida. Quando era adolescente e já jovem adulta, passava “Foi assim que aconteceu” (How I met your mother) na televisão portuguesa, que acompanhei desde o início.


Foi uma experiência completamente nova rever a série enquanto adulta e com mais de uma década de distância. Em primeiro lugar, nessa série ainda usavam uma audiência que introduz a deixa “RIR AGORA”, o que de certa forma me chocou. Como pude passar tanto tempo sem notar alguém a pré-determinar o que devemos sentir ao ver a cena?


Este truque não é novo, não é por acaso que 60% do orçamento de um filme se destina ao departamento de som. O som é muito importante para qualquer arte, é por isso que aprecio tanto os filmes europeus.


Um bom gestor do departamento de som sabe que, geralmente, o silêncio não é a ausência de som ou emoção. É no silêncio que encontramos espaço para sentir os nossos próprios sentimentos, afectos e emoções. Por isso sinto tanta falta de ir ao Teatro.

05
Mai21

Kit de Sobreviência XXX - Ursula von der Leyen

KS XXX Ursula von der Leyen.png

Há umas semanas, naquele que ficou conhecido como o sofagate, Ursula von der Leyen, enquanto Presidente da Comissão Europeia, participou numa reunião em Istanbul com o Presidente da Turquia e o Presidente do Conselho Europeu. Para espanto da própria, ao chegar ao local da reunião, verificou que literalmente não tinha lugar. Charles Michel e Erdogan tomaram os seus lugares e a Presidente ficou reduzida a um sofá.

 

Na semana passada, ao dirigir-se ao Parlamento Europeu, Ursula von der Leyen, explica que se sentiu “magoada e sozinha, como mulher e como europeia”. Num gesto certamente simbólico, Von der Leyen surge de casaco cor-de-rosa e blusa branca, possivelmente numa homenagem às Sufragettes, que já havia sido celebrada por algumas mulheres democratas do Congresso norte-americano.

 

O discurso é particularmente importante porque Ursula von der Leyen não foge à sua própria vulnerabilidade, pelo contrário, expõe-na como meio para denunciar o sexismo que ainda existe também na política.

 

Poderia ser mais um dia num qualquer local de trabalho, mas trata-se da (primeira) Presidente da Comissão Europeia. Não é só um sinal de desrespeito, é um sinal claro de desigualdade de género. A Presidente reconhece o seu privilégio num cargo de poder e a importância das imagens para a revolta popular por todo o mundo. No entanto, alerta também para os casos que não são divulgados, a esmagadora maioria. Mulheres e crianças que sofrem abusos de poder e nunca têm o poder da denúncia e são remetidas para o silêncio.

 

Este é um problema também dos homens que, como Charles Michele, são cúmplices na desigualdade de género. Não nos iludemos, caro leitor, a igualdade de género depende da cooperação de todos, como disse a Presidente. Precisamos de mais mulheres em cargos de poder político, económico, legislativo, judicial, entre outros, que possam tomar decisões de mulheres para mulheres. É urgente, o tempo de agir é agora.  

02
Mai21

Mãe (não) há só uma

E083C6E6-1E16-485B-A400-4C0F4C458D1C.jpeg

Ilustração: Nadezhda

Hoje é o dia da Mãe. Ser Mãe é estilhaçar o coração em tantos pedacinhos quantos filhos.


A maternidade é vivida em milhões de pequenos momentos no tempo: quando se descobre que está à espera de bebé, quando se sente o bebé, no parto, o primeiro sorriso depois de tantas noites sem dormir, a primeira papa, o primeiro passo, a primeira palavra ou o primeiro dia na escola. As primeiras amizades, o primeiro desgosto, a adolescência, os sonhos, o ninho vazio.


Ser Mãe é ser múltipla, há Mães que escolhem os seus filhos, há Mães que são surpreendidas pelos seus filhos, há Mães que perdem os seus filhos, há Mães que se encontram com os seus filhos. Há ainda Mães que têm de se separar dos seus filhos, há Mães que se tornam Mães.


Não existe nenhum manual de instruções sobre como ser Mãe, embora existam centenas de livros sobre parentalidade. Ser Mãe é uma experiência única, só sabe quem é Mãe.


As Mães multiplicam-se em papéis: Mãe, parceira, filha, irmã, prima, sobrinha e neta se tiverem sorte. As Mães também se podem tornar Avós, laços sanguíneos ou plantados, cuja sabedoria ecoa por gerações e gerações...


O coração das Mães é moldado por milhares de milhões de peças partidas e encontradas e reconfiguradas numa forma que nunca mais é a anterior. Ser Mãe muda-nos inevitavelmente.


A todas as Mães, feliz dia! À minha Mãe, obrigada por moldares o teu coração às nossas tantas memórias juntas.

28
Abr21

Kit de Sobrevivência XXIX - Marcelo Rebelo de Sousa

KS XXIX Marcelo Rebelo de Sousa.png

No passado Domingo, 25 de Abril, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa surpreendeu os portugueses com um discurso de uma coragem notável, revisitando a história de Portugal, não deixando pedra sobre pedra, mas traçando pontes de reconciliação.

 

A partir da sua própria história de vida, Marcelo Rebelo de Sousa faz uma reflexão da História Portuguesa, desde as conturbadas lutas liberais (precedendo a libertação do Brasil do Império Colonial Português), até ao tempo da Ditadura, da qual o Pai de Marcelo Rebelo de Sousa fez parte como Governador de Moçambique e pela proximidade a Marcello Caetano (o nome do atual Presidente é uma homenagem ao então regente da ditadura).

 

No seu discurso, o antigo Professor universitário falou também do Período Colonial, com a sua complexidade e múltiplas contradições. A revolução do 25 de Abril, como lembra o atual Presidente, foi planeada e levada a cabo por militares das forças armadas que haviam estado na guerra do ultramar.

 

Talvez o aspeto mais comovente do discurso de Marcelo tenha sido a visão conciliadora da História, incluindo os que foram lutar, os que emigraram na esperança de uma vida mais justa, mas também dos que lutaram contra o Império Colonial Português, os que tendo vindo de Portugal se juntaram à resistência e dos que regressaram sem nada, os que ficaram em sociedades devastadas pelo colonialismo.

 

Ser Português é ser complexo, rico em História, em coragem para atravessar o desconhecido, mas também em crueldade da escravatura e do racismo. Segundo o atual Presidente devemos refletir sobre a História à luz dos valores atuais, sem condenações, mas retirando lições para não repetir os mesmos erros. Afinal, se o filho de um governante da Ditadura pode ser democraticamente eleito Presidente da República Portuguesa, podemos enquanto povo também evoluir. Refletir sobre como podemos lutar por Portugal mais justo, inclusivo e igualitário.

25
Abr21

25 de Abril sempre!

CC8DE92C-FE73-473D-AC77-CB9C6537923F.jpeg

Há 47 anos Amália estava nas aulas e ouviu alguém murmurar “houve Revolução! O regime vai cair!”. Era um alvoroço durante as aulas da manhã. Depois do toque para o almoço, Amália e os amigos correram para a rua, procurando ouvir na rádio o que tinha acontecido.


O Pai de Amália havia lutado pela Liberdade, co-organizando a campanha do General Humberto Delgado, firme na resistência à Ditadura. Muitos dos seus amigos estavam presos ou exilados. Tinha recebido várias ameaças, escapando apenas por um golpe de sorte.


Também Amália e os irmãos tinham resistido, à sua maneira, aos tentáculos da Ditadura, organizando encontros secretos para debater as suas ideias sobre como poderia ser a Democracia. Amália e os irmãos liam todos os livros secretos que o Pai conseguia comprar no “mercado negro” sobre marxismo, comunismo, socialismo, maoismo e tantos ismos. Distribuíam panfletos de manhã cedo na Escola e nunca falhavam os encontros.


Aos catorze anos, Amália foi chamada à PIDE. Tinha muito medo, será que a tinham apanhado? Pereceria na prisão como os amigos do Pai? Não! Seria corajosa e saberia defender-se. O Pai acompanhou-a e instruiu-a a não dizer nada. Até hoje, Amália pensa nesse dia, os PIDEs vermelhos e suados, sobre si a fazerem-lhe questões sobre os seus encontros, que amigos apareciam, sobre o que falavam.


Nesse 25 de Abril de 1974 não pensou mais no que tinha sido, permitiu-se sentir o que era: a Liberdade. Correu pelas ruas com os seus amigos, gritando “Viva a Liberdade!”, observando as centenas de pessoas que se reuniam na baixa. Sentia uma enorme esperança no futuro.


Amália fez parte de vários grupos depois da Revolução dos Cravos, lutou pela liberdade e igualdade, pelos direitos das mulheres e dos mais desfavorecidos.


Hoje Amália tem mais de 60 anos, mas transmitiu o seu espírito ativista à sua filha que aqui hoje conta a sua história.


A Democracia e a Liberdade não são garantidas, temos o dever cívico de lutar todos os dias pela igualdade de oportunidades e pela preservação do nosso planeta. Viva o 25 de Abril, viva a Liberdade!

21
Abr21

Kit de Sobrevivência XXVIII - George Bernard Shaw

KS XXVIII George Bernard Shaw.png

Nas últimas semanas muita informação tem circulado sobre as vacinas e o plano de vacinação. Como São Tomé eu preciso de “ver para crer” por isso mergulhei na evidência científica, enquanto aguardava os inúmeros pareceres da Agência Europeia do Medicamento (EMA), da Direção Geral da Saúde (DGS) e da Organização Mundial da Saúde (WHO).

 

Como vários cientistas explicam, é difícil eleger a melhor vacina contra a covid porque atuam de formas distintas, têm tempos de eficácia diferentes e os efeitos secundários também divergem, entre outros critérios. Além disso, as normas de aprovação da vacina variam consoante os países (na União Europeia depende da EMA, nos Estados Unidos é a Food and Drug Administration), os canais de distribuição dependem do tempo de armazenamento de cada vacina e depois existem os fatores políticos.

 

Como o leitor poderá saber, a COVAX foi uma iniciativa subscrita pelos países da ONU para que todos os países pudessem receber vacinas em tempo útil e de forma mais igualitária (doses suficientes para vacinar pelo menos 20% da população em todas as nações). O problema é que alguns países fizeram acordos bilaterais com a indústria farmacêutica, ignorando o preço pré-estabelecido, a COVAX, as guidelines da WHO e o senso comum de comunidade.

 

Assim, o plano de vacinação está sujeito a uma variedade de fatores que nada têm a ver com a ciência e a evidência científica. Seria, em teoria, responsabilidade da comunicação social divulgar os factos, mas desde que vivemos na Era Digital, do instantâneo, do chocante, os editores parecem ter perdido o apetite pelo conhecimento e limitar-se a dados, teorias da conspiração, informação contra o que o que a DGS prevê e os experts convidados afirmam. Cortam descarada e repetidamente a informação divulgada nos boletins diários, nas reuniões do Infarmed e nas comunicações da DGS para caber num segmento de 20 segundos o mais chocante possível.

 

Naturalmente, muitos de nós sentimo-nos confusos porque tudo parece um enorme erro de comunicação. Como os princípios jornalísticos foram abandonados pela janela, o que hoje é verdade, amanhã será mentira e em tanta discrepância começaremos a desconfiar de tudo e de todos num caos absoluto, levando a recusas de vacinas, desconfinamento caótico, reconfinamento, apatia.

 

A solução? Divulgação da informação baseada na ciência nos meios de comunicação, verificação dos factos ainda que atrase a divulgação de uma notícia e continuação de estudos científicos para melhor compreensão da doença e vacinas.

 

Como dizia um sábio brasileiro numa viagem que fiz à Turquia: “informação não é conhecimento”, mas essa história fica para outro dia.

18
Abr21

Bem-vinda Primavera!

AC81F982-28E2-4CF4-8DCB-8DE7CD95E385.jpeg

Esta semana, pela primeira vez neste ano e contra toda a situação atual senti esperança.


Bem sei que os Marqueses continuam a influenciar a Corte e a Pandemia assombra o nosso dia-a-dia, mas ao retomar os meus passeios no Parque senti o início de um novo ciclo.


Até aqui a Primavera parecia uma miragem, as flores ainda estavam escondidas, os passarinhos não chilreavam e o Sol escondia-se atrás das nuvens.


Mas esta semana foi como se o Universo conspirasse e a Primavera chegou. O Sol e o calor aqueceram a minha pele, os passarinhos vieram cantar todas as manhãs, as flores desabrocharam e até provei as primeiras framboesas do ano.


Somos uma espécie tão evoluída, com os nossos computadores e mercados financeiros e, no entanto, estamos sujeitos ao ciclo da vida como todos os seres da Natureza. Bem-vinda Primavera!

14
Abr21

Kit de Sobrevivência XXVII - Adam Grant

KS XXVII Adam Grant.png

Ultimamente tenho-me sentido exausta. Não sei se é o cansaço pandémico ou a constante preocupação transformada em listas, a verdade é que tenho dormido mal ou quase nada.

 

Depois de ouvir o podcast semanal da Deliciously Ella com Adam Grant “How to supercharge your brain” senti que tinha de recuperar o controlo da minha vida. Decidi experimentar a abordagem “científica” que Adam Grant propõe e analisei as áreas da minha vida: alimentação, sono e energia.

 

Como o leitor poderá saber, há quase um ano que mudei a minha alimentação e, apesar de inicialmente ter notado uma melhoria no meu bem-estar geral, a verdade é que o efeito se foi esbatendo. Podia olhar também para o meu padrão de sono, mas como a insónia é um “defeito” de família nem valia a pena uma análise crítica.

 

Percebi, então, que o meu corpo precisava de movimento. Retomei as minhas caminhadas, mas decidi elevar a dificuldade aumentando o meu objetivo de passos para 10 000 passos por dia. Além disso, retomei lentamente o yoga, só 10-15 minutos por dia, obviamente tendo em conta as limitações desde a cirurgia.

 

No entanto, o aspeto mais relevante desta mudança foi provavelmente retomar a meditação, especialmente o body scan. Esta técnica de meditação, que pratico através da app ao som da voz do monge budista Gelong Thubten, implica focar a atenção no corpo. Ao direcionar a atenção para as diferentes partes do corpo torna-se mais fácil deixar os pensamentos e preocupações, as listas intermináveis. Há muitos anos que faço meditação, mas este tipo de body scan é particularmente eficaz para pessoas que, como eu, passam demasiado tempo a pensar no passado e no futuro e esquecem-se que o presente é agora.

 

Esta pandemia, como já escrevi, fez-me repensar vários aspetos da minha vida. Talvez o mais relevante seja a maneira como invisto o meu tempo e disponibilidade, como cuido do meu corpo e como meço o sucesso.

11
Abr21

A vida a acontecer

69DAB776-94E7-46FD-ABC7-A1C61B7146EC.jpeg

Desde o início dos tempos, a Natureza é um ciclo quase perfeito, uma repetição contínua de padrões.


O Sol nasce e anuncia o dia, a Lua brinca às escondidas, trazendo consigo a noite. As abelhas e as flores trabalham em conjunto, numa sincronia perfeita que perpetua a vida.


Imaginemos agora, caro leitor, que este padrão é interrompido. As abelhas param de colher o pólen e, assim, termina a polinização. Durante um tempo, as flores murcham até que desaparecem da Terra. As abelhas, sem o seu alimento, deixam as colmeias e desaparecem do nosso planeta. Consequentemente outras espécies desaparecem também.


Mas a Natureza é justa e implacável, ainda que as flores e as abelhas desapareçam, a vida continua a acontecer porque no seu ciclo perfeito há sempre esperança de um novo dia.

Sobre

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub